Categoria: Poesias

Poema da Necessidade – Carlos Drummond de Andrade

É preciso casar João,
é preciso suportar António, 
é preciso odiar Melquíades,
é preciso substituir nós todos.

É preciso salvar o país,
é preciso crer em Deus,
é preciso pagar as dívidas,
é preciso comprar um rádio,
é preciso esquecer fulana.

É preciso estudar volapuque,
é preciso estar sempre bêbedo,
é preciso ler Baudelaire,
é preciso colher as flores
de que rezam velhos autores.

É preciso viver com os homens,
é preciso não assassiná-los,
é preciso ter mãos pálidas
e anunciar o FIM DO MUNDO.

Nenhum comentário.

Momentos…

Há momentos na vida

Que um vendaval nos balança

Quando feito de sentimentos

Nos faz virar criança

De um lápis sai um arco-íris

De uma flor o coração balança…

Nenhum comentário.

Sublimação

Escrever1Os sofrimentos do mundo

Resolvi atirar

Nas linhas da literatura

Assim não sofro tanto

Socializando a dor

Denunciando o horror

A beleza da ficção

Sublima a emoção

Produz paz, traz alento ao coração…

Nenhum comentário.

Os Idiotas…

Somos piegas, estúpidos, idiotas na crítica da ampla maioriapasseata

Mas continuaremos a gritar que a exploração é errada

Que a violência não vale a pena

Que viemos dos primatas, mas poderemos evoluir

Sim, um mundo melhor é possível

Riem de nós, zombem, escarnem, não sentimos nada

Salvo o desejo de continuar a gritar

Que a Justiça é apenas uma palavra

Mas iremos atrás dela até os fins de nossos dias

Pois poderá se tornar conduta, produtora de ações

Nossa ingenuidade poderá se unir a outras

A maldade poderá fraquejar

E nossos gritos poderão sensibilizar

Que belo destino ser estulto contra o poder

Um néscio pela igualdade

Um mentecapto pela paz

Os homens inteligentes já mostraram o seu perigo

Continuaremos a ser pascácios, basbaques atrás da utópica revolução

Sem tiro, sem empurrão, só amor no coração

Talvez um dia, nós os loucos nos livraremos dos espertos

Talvez um dia poderemos viver a vida, com o simples prazer de viver…

4 Comentários

Paradoxo

Paradoxo ExistenciaEu sou meu paradoxo

De mim pouco sei

Surpreendo-me constantemente

Com minhas oscilações

Fantasias e ações

Da tristeza à euforia

Do amor à violência

Da saúde à doença

Nada de muita razão

Coisas desconhecidas em demasia

Várias infantis

Outras juvenis

Fazem-me esse sujeito

De desejos intensos, incompletos, frustrados, insaciáveis…

Amor, paixão, alegria, solidão, cansaço…

Nenhum comentário.