Eu…


Sou uma inconsistência

Lançado à paixão

À dor e à eterna insatisfação

O amor me remete à busca

Amo tanto e necessito ir

Para longe da calma, da certeza

Distante dos bons costumes

Quero encontrar o impossível

Viver o intangível

Desejo tudo, mas agora!

Não sirvo à estabilidade

Lanço-me ao perigo cultural

Pois quero experimentar o proibido

Sou o sonho, o próprio pesadelo

Busco o tudo e o nada

O delírio do louco

A paz de um beijo

A doçura de um carinho

O prazer dos corpos entrelaçados

Quero e sempre quero mais…

  1. Nenhum comentário ainda.
(não será publicado)